Mayara Godoy


Exagerada

Eu sou, mesmo, uma pessoa de extremos. Eu sou a personificação do exagero.
Por aqui, intensidade é a palavra de ordem. Porque, sim, eu vivo – e sinto – sem moderação.
Eu não sei viver no morno, no médio, no razoável. E, sim, eu me jogo. De cabeça. Porque, se for para cair, eu me quebro; mas, se não, eu voo.


Descabida

Mas acontece que um dia eu percebi que tuas medidas não me serviam. Que respirar você me sufocava. Que tuas verdades não me sustentavam. Que meus olhos podiam, sim, enxergar além dos teus.
Eu compreendi que, realmente, eu não era boa o suficiente para você. Porque eu não era para você.
E resolvi que não queria mais me sentir desproporcional, desajeitada, descabida.


Memórias

Excluo tuas fotografias uma a uma, como se a cada pressionada na tecla Delete te apagasse não apenas do meu HD, mas também das minhas memórias. Como se, ficando sem ver aquele monte de pixels no formato do teu rosto, eu conseguisse esquecer do teu sorriso e do azul dos teus […]