Mayara Godoy


Neste Dia Internacional da Mulher, quero deixar o meu abraço a todas as mulheres que já choraram e sofreram caladas e que se sentiram sozinhas, desamparadas, esgotadas. Ainda temos muito o que lutar. Ainda temos muito o que brigar pelo nosso espaço. Mas que não tenhamos medo. Que não nos deixemos abalar.

O que eu queria dizer no Dia Internacional da Mulher










Eu sou, mesmo, uma pessoa de extremos. Eu sou a personificação do exagero. Por aqui, intensidade é a palavra de ordem. Porque, sim, eu vivo - e sinto - sem moderação. Eu não sei viver no morno, no médio, no razoável. E, sim, eu me jogo. De cabeça. Porque, se for para cair, eu me quebro; mas, se não, eu voo.

Exagerada


Mas acontece que um dia eu percebi que tuas medidas não me serviam. Que respirar você me sufocava. Que tuas verdades não me sustentavam. Que meus olhos podiam, sim, enxergar além dos teus. Eu compreendi que, realmente, eu não era boa o suficiente para você. Porque eu não era para você. E resolvi que não queria mais me sentir desproporcional, desajeitada, descabida.

Descabida